Ganesha – Festival

Ganesha_Basohli_miniature_circa_1730_Dubost_p73

Hoje é o Chaturti de Ganesha, um importante festival hindu dedicado à celebração do aniversário desse deus que é reverenciado antes de todos os outros. Para mais informações sobre esta festa, ler aqui: https://indianexpress.com/article/lifestyle/life-style/ganesh-chaturthi-2020-date-puja-timings-significance-and-importance-6560205/ e abaixo um vídeo da fabulosa Vidita Kanniks com um cântico (bhajan) dedicado ao deus Ganesha.

Banhos de Som

Taças no banco do jardim

Um artigo interessante de divulgação a ler aqui: https://www.huffpost.com/entry/do-sound-baths-work-benefits_l_5e501917c5b629695f5a3779?fbclid=IwAR07Pzw95XldPHCvCBNYR64QD2ufFdIf4VfKcoBy25qwCdHWoNkc0js_OAA&guccounter=1&guce_referrer=aHR0cHM6Ly93d3cuZmFjZWJvb2suY29tLw&guce_referrer_sig=AQAAAE0FRViVBedC_ot35P-aTkCNkUhANobYoW2eX2exhrXtnhptOycymwxP6jdxtL5Ntzi8765GJmWrrJdLIt3K1v1eTTUt02EO26i7qk37-CySI7LFL_oczyYboM5WqtS64OkgssQpxD1LoHCmNl-9Jri8Tr5wVJW-Jh-MDldKN0yf

Veja os nossos separadores para meditação, mantras, massagem e banhos de som e agenda uma experiência.

Sobre Ruído e Paisagem Sonora na sua Ausência:

download

Em 2014, a Fundação Francisco Manuel dos Santos publicou o livro Sons e Silêncios da Paisagem Sonora Portuguesa, de Carlos Alberto Augusto. Aborda ecologia acústica e a questão da existência de uma sonoridade característica da paisagem portuguesa, urbana ou não. É uma leitura interessante e deliciosa para quem gosta da arte da escuta.

Por exemplo, aqui no centro de Lisboa onde habito, há uma coisa que adoro ao domingo: no meio do silêncio matinal, o repique dos sinos da igreja das Mercês a chamar para a missa. Terminado o ruído semanal e o barulho dos noctívagos da noite do Bairro Alto e de Santos, o domingo por aqui é silencioso e quase rural, com ou sem turistas. Isto é, a paisagem sonora vai mesmo mudando durante a semana. E vivendo eu em frente da Assembleia da República, fascina-me o som das manifestações: palavras de ordem, a música escolhida, instrumentos musicais ou não, enfim, todo um universo a explorar e sobre o qual uma vez escrevi um artigo que não chegou a ser publicado e que já está um pouco desactualizado.

A verdade, é que o ruído tem vindo cada vez mais a fazer parte do nosso quotidiano e recentemente, a propósito do confinamento, a equipa do Sounds of Tourism fez uma avaliação da situação. A ler aqui: https://visao.sapo.pt/atualidade/sociedade/2020-07-11-covid-19-a-que-soa-lisboa-sem-turistas/?fbclid=IwAR2nIXY_NDODPMNoKrijHeERDQZtvD32XsDU63_2VgOxt01E1GAyhAOSIUM

Curiosidades: arqueologia sonora do tracto vocal dos neandertais e de uma múmia egípcia.

A ler e ouvir aqui: https://www.iflscience.com/plants-and-animals/could-neanderthals-have-high-pitched-voices/?fbclid=IwAR3cpiwbeMlhAiMDVfiUwWtIKvLz-WTE0FR3euB2yNR90shqQMxwbxwVGSc

e aqui: https://www.theguardian.com/science/2020/jan/23/talk-like-an-egyptian-mummys-voice-heard-3000-years-after-death?fbclid=IwAR1rt6N9xZNVGBietXI-MT91QB0N0aoqr46UrVrOWr1qhTai-LCNmZEaI08

Curiosidades Sobre Aplicações de Ondas de Ultra-Sons

Ondas sonoras de ultra-sons podem condicionar as opções feitas por macacos. A ler aqui, mas cuidado com generalizações: https://www.iflscience.com/brain/scientists-control-brains-of-monkeys-using-ultrasonic-waves/?fbclid=IwAR2OGOXvRR4B_YdRuR3liMjZjI60h9yS6YSubdICQDWvbbH4r1ozhJmqRWM

Curiosidades

1_5BWm5g2Hn_CGBZSQ_Z7sDQ

A voz é um bilhete de identidade, pois a voz de cada um é única e facilmente identificável. Mas nem sempre as vozes dos outros nos agradam. Conectar-se com a própria voz é balsâmico. A ler aqui: https://www.abc.es/bienestar/psicologia-sexo/psicologia/abci-algunas-personas-agrada-y-otras-molesta-202005260401_noticia.html?fbclid=IwAR33-ExdGYut_FdyZr-wpcZN1Ng5Axkd2e2MTw2R8J7xV11xOMdIwZv2s3Y&ref=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2F

Solstício

images

Sempre adorei o Verão, que hoje inicia com o dia mais longo do ano, essa absoluta plenitude da luz. Nada melhor que deixar-vos um mantra do Sol a ouvir aqui: https://www.youtube.com/watch?v=GJDRNyi5ELM

Bom solstício para todos!

Destralhe de Confinamento

O confinamento obrigou-me a trabalhar mesmo muito. Migrar para o teletrabalho de repente foi, digamos, intenso. Preparar material, dar aulas, pôr a família e os amigos a mexer-se em aulas de yoga via Zoom ou Meet, fora o que afinal também pode ser feito à distância em termos terapêuticos e organizacionais e que nunca tinha equacionado, foi toda uma curva de aprendizagem para usar um termo técnico.

No meio disso, meti mãos à obra na organização da minha casa. Sou uma pessoa organizada mas com quase 50 anos a acumulação é inevitável. Depois de roupa, passei para a parte mais aborrecida e difícil para mim que é a documentação: papelada como manuais de instruções de electrodomésticos que já ‘morreram’ e que foram para o lixo; digitalizei artigos e livros científicos que estavam em fotocópias e que agora até estão mais acessíveis numa pasta no computador podendo ter uma nova utilização; verifiquei que disponho de edições melhoradas de livros que já tinha e que por estarem em duplicado posso doar; manuais escolares que podem também ser doados a bibliotecas escolares; livros que não me interessam de todo mas que podem ser úteis a colegas ou amigos; maquetes que o meu filho já não quer e coisas que podem mesmo ir para o lixo têm sido uma constante nos últimos dias.

Francamente, estou surpreendida porque costumo fazer uma revisão de coisas pelo menos uma vez por ano, mas agora o ímpeto foi mesmo outro e fiquei espantada com o espaço que ganhei e com a quantidade de coisas que apesar de tudo tenho e de que não preciso ou que podem mesmo se úteis a outrém.

Isso obrigou-me ainda a redistribuir toda a documentação e os livros nas estantes, conquistando uma nova paisagem em casa sem ter mudado qualquer móvel, o que é uma experiência interessante e estimulante para o cérebro.

Experimente destralhar um pouco e verá que há sempre qualquer coisa que está a pesar na sua vida. E nós, do que precisamos, é de leveza.

Sobre o Silêncio

nature-benefits.jpg.860x0_q70_crop-scaleSobre o silêncio, esse bem tão necessário para ouvir bem, a natureza, a urbe, a história. A ler aqui: https://aeon.co/essays/why-we-need-an-absence-of-noise-to-hear-anything-important?fbclid=IwAR1DEB5KJBy2hYmxev_Z-78-50wyG1XJgv9yXl3Mj81k0UEs5cwpQq_2WzU